segunda-feira, 1 de março de 2010

Menino espera há 12 anos por cirurgia para andar

Marcelo Gonçalves dos Reis tem 14 anos. Desde os 02 de idade espera por uma cirurgia para tentar caminhar. A família, que mora na Vila Dique, em Porto Alegre, há 12 anos percorre os serviços públicos de saúde com a esperança de que o menino consiga fazer a intervenção cirúrgica. Sempre ouviu dos médicos que a fila é grande e não há outra coisa a fazer que não seja esperar. Enquanto o tempo passa, a possibilidade de Marcelo voltar a andar vai diminuindo, com a contração dos nervos das pernas.

Depois de mais de uma década lutando para ter seu direito constitucional atendido, de receber o tratamento adequado para sua reabilitação, em 2010 Marcelo finalmente teve a cirurgia agendada para o dia 18 de janeiro, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Foi adiada. Remarcada para o dia 01 de fevereiro, depois de Marcelo ficar um dia inteiro esperando no próprio hospital, foi outra vez cancelada, sem nova data para acontecer.

Os pais do menino não perdem a esperança de que o filho ainda consiga fazer a cirurgia e se recuperar. Marcelo sonha com esse dia. Mas para isso, dependem de que o Sistema Único de Saúde (SUS) e seus funcionários resolvam cumprir com a parte que lhes cabe.

Assista ao vídeo produzido pelo Coletivo Catarse com Marcelo e sua família:

3 comentários:

Julio disse...

Se a cirurgia ainda não aconteceu, indico a defensoria pública do Estado para garantia judicial de data para essa importante operação.
Estou disponivel para qualquer ajuda e coloco a estrutura do escritório também a disposição para o Marcelo.
Parabéns pelo trabalho!

Júlio Alt - 81939085
julio.alt@gmail.com

Jefferson disse...

Júlio,

Obrigado pela disposição em colaborar, mas a família do Marcelo resolveu aguardar, já que o Hospital de Clínicas marcou novo atendimento para a próxima terça, dia 09, depois de assistir ao vídeo.

Qualquer mudança, faremos contato.

Um abraço,
Jefferson

Itárcio disse...

Parabéns ao Coletivo pela reportagem; Abraços ao Júlio pela sensibilidade com o próximo.

Sei o quanto é importante a cirurgia para o Marcelo e sua família, também sou portador de deficiência física e sinto na pele as dificuldades que enfrentamos no dia a dia.

Abraços!